A “Teoria do Big Boom” Para a Reforma: Geração do Milénio, Prestem Atenção, Vocês São os Próximos

* Imagem da Yahoo Finance por Neale Godfrey

Eis a Cena…  

A Mamã e o Papá estão a descansar junto à sua casa de praia, bebendo Arnold Palmers (talvez com Arnold Palmer), decidindo que taco de golfe usar, que viagem fazer, e como evitar estragar os netos com mimos... Todo este lazer e diversão é financiado pelo fluxo constante de rendimentos garantidos da reforma, que vem, claro, da Segurança Social, das pensões e dos investimentos. A casa da família está paga, não há nenhuma dívida... a vida corre bem. Vejo um quadro pintado com arco-íris e gnomos a dançar.

"Não ter dívidas e conseguir uma reforma financeiramente segura é o Sonho Americano para a maioria dos americanos." E a maioria está optimista quanto a poder alcançá-lo, de acordo com o Inquérito Sonho Americano 2014 da Credit.com. Alcançar uma reforma financeiramente segura aos 65 anos é o grande Sonho Americano para 36% dos entrevistados, enquanto deixar de ter dívidas fica em segundo lugar, com 25% dos entrevistados a referi-lo na sua definição do "Sonho Americano".

Eis a Realidade...

Como Bob Carlson afirma no livro As Novas Regras da Reforma, "... eu nunca vi uma situação tão perigosa como a de hoje. Os investidores, especialmente os titulares de planos poupança-reforma, enfrentam ameaças sem precedentes à sua liberdade financeira. Estas tendências têm vindo a ganhar força. As pessoas não só não pouparam o suficiente como os instrumentos de poupança podem não ser o que todos nós esperávamos." De acordo com o USA Today, "quase um terço dos trabalhadores (28%) afirmam menos de mil dólares em poupanças e investimentos que poderiam ser usados para a reforma, sem contar com a sua residência principal ou planos de reforma como as pensões tradicionais. "Infelizmente, o cenário ficou mais sombrio, a chuva começou a cair, e o arco-íris desapareceu. O Employee Benefit Research Institute e a Greenwald and Associates divulgaram os resultados do seu inquérito telefónico, no qual 57% dos inquiridos indicam que "têm menos de 25,000 dólares" em poupanças-reforma. Os gnomos do jardim estão à procura de trabalho.

A outra realidade é que a chamada Geração Milénio não está a poupar para a sua reforma. Sei perfeitamente que esta geração tem sofrido com a recessão e que se está a esforçar para se aguentar em pé. A Bankrate informou recentemente, "Previsivelmente, uma entrada tardia no mundo do trabalho pode criar obstáculos para que estes jovens comecem a planear o final dessas carreiras. Afinal, muitos jovens ainda estão ainda em busca de um emprego digno para fazer face às suas despesas correntes e ao pagamento de pesadíssimos empréstimos estudantis. Poupar para a reforma é um luxo a que muitos da Geração Milénio não se podem dar... "Não é que esta geração esteja só a cantar hinos de paz e amor, sem perceber que a reforma vai acabar por chegar. A Bankrate também afirmou num inquérito recente que "entre pessoas dos 18 aos 29 anos, o maior medo relacionado com a reforma é ficar sem dinheiro".

Por Onde Começar?

Não podemos decidir para onde vamos sem sabermos onde estamos agora. Está na hora de tomar as rédeas da sua vida e de perceber quanto lhe custa vivê-la. Também está na hora de descobrir quanto vai precisar na reforma. Há milhares de calculadoras de reforma. E já que estamos a falar sobre reforma, dê uma vista de olhos pela calculadora de reforma da AARP e tente avaliar aquilo de que vai precisar. O objectivo é criar uma imagem realista do que deseja para a sua reforma. Comece com a sua lista de desejos. (Já agora, eu não estou apenas a falar com a chamada geração do "baby boom"... Também estou a falar com a Geração Milénio.) Pense sobre onde quer viver. Junto à costa, na cidade, perto dos netos...? Se pertence à Geração Milénio, sei que a ideia de ter netos o faz rir. Mas isso não é o mais importante aqui; o importante é que está a começar a decidir sobre o estilo de vida que mais lhe convém. Se a sua ideia de nirvana é uma casa de repouso na floresta, pode fazer sentido ponderar a ideia de comprar uma casa de férias que poderá acabar por tornar-se num refúgio para a sua reforma.

O principal conselho é: "experimente o fato antes de o comprar." Alugue uma casa à beira do lago, no mar ou na cidade ANTES de decidir que é aí que quer passar a sua reforma. Não faz ideia da quantidade de pessoas que foram para a Flórida ou para o Arizona pensando que o calor (seco ou molhado) era o que mais queriam. Parece uma boa ideia em Fevereiro, quando a entrada para a sua garagem pode ser usada para fazer exercício, mas em Agosto pode achar que já chega. Tente imaginar o que pretende para a sua reforma. Quer trabalhar? Vai ter de trabalhar? Veja se se protegeu para as futuras necessidades de cuidados de saúde.

Comece a Poupar e a Investir...

Eu sei que ouvimos isto com demasiada frequência. E isso é porque é o melhor conselho. Procure aconselhar-se ou faça-o por si próprio... mas comece. Os especialistas em investimento podem dar-lhe conselhos. Mais uma vez, decida como quer viver mais tarde na vida, descubra o que isso lhe vai custar e depois construa o plano de investimento com os activos certos para o ajudar a chegar lá. Escolha investimentos seguros, sabendo que não há garantias... apenas que "se parece bom demais para ser verdade", provavelmente é. Se pertence à chamada geração do "baby boom" e está a enfrentar o "boom" da reforma, a BlackRock tem uma boa ferramenta chamada Cori™ que o pode ajudar. Se faz parte da Geração Milénio e quer investir por si mesmo, existem produtos online e móveis, como a DriveWealth, à qual estou associado, que podem ajudá-lo a investir no futuro.

A importante é que quer construir a sua visão sobre o futuro. Quer que a imagem seja bonita e que as cores tenham sido escolhidas por si, em vez de se limitar a fazer uma colagem com pedaços avulsos de origens distintas. Pegue no seu lápis imediatamente e comece a desenhar para que mais tarde possa preencher esse desenho com as suas cores... e com os seus gnomos!