Wal-Mart: Que Negócio é Esse?

Por Kayleigh Yerdon, Estagiária de Verão 2015, Universidade de Cornell Há cerca de uma semana, o gigante das grandes superfícies Wal-Mart anunciou que iria fechar 154 lojas, decisão que será implementada quase imediatamente. No final deste mês, esses vários Wal-Mart, que se tornaram os principais supermercados e farmácias de muitas regiões espalhadas pelos EUA, serão fechados. Isso fez com que muitos norte-americanos e clientes internacionais da Wal-Mart procurem entender o que está acontecendo com a maior cadeia de hipermercados do mundo e (mais importante para algumas pessoas) o que acontecerá com o preço das ações da empresa. Eis algumas explicações plausíveis para o que pode estar acontecendo e como isso afetará as pessoas:

No passado, a Wal-Mart foi alvo de críticas extremamente duras por pagar salários muito baixos para os seus trabalhadores. Embora a marca tenha vindo a dar alguns passos nos últimos anos para contrariar as acusações de seus críticos, muitos norte-americanos acreditam que o salário da Wal-Mart não constitui uma remuneração digna. O fluxo contínuo de má imprensa, por exemplo, poderá ser parcialmente responsável pela recente redução dos quadros da empresa.

Para tentar aplacar uma imprensa negativa e tratar seus funcionários de uma forma mais justa, a Wal-Mart anunciou em fevereiro passado que colocaria as remunerações de seus 500.000 trabalhadores acima do salário mínimo no início de abril de 2015. Este aumento salarial em grande escala foi, sobretudo, motivado pelo desejo de aumentar os níveis de satisfação dos clientes dentro de suas lojas. A administração da Wal-Mart concluiu que a satisfação do cliente depende muito das relações entre cliente e funcionário. No fundo, a Wal-Mart começou a aceitar a ideia de que ter funcionários mais felizes significa ter clientes mais felizes.

A empresa também prometeu aumentar as remunerações horárias para 10 dólares – 2 dólares acima do salário mínimo nacional – até o final de 2016. Para 500.000 trabalhadores da empresa, certamente, esses aumentos salariais podem ter um efeito imediato. Será que os benefícios da melhoria do atendimento ao cliente e da redução quantitativa de rotatividade superam, quantitativamente, o acréscimo de gastos da empresa? As respostas para essa pergunta ainda não foram publicadas, mas podem estar contribuindo para o encerramento de todas estas lojas Wal-Mart.

Competitivamente, a Target - uma marca bastante conhecida que opera cerca de 2000 lojas nos Estados Unidos - decidiu não aumentar seus salários.  Assim, analisando o problema de uma outra perspectiva, a Wal-Mart pode estar diminuindo de forma sistemática o fosso que a separa de seus concorrentes no mercado de produtos de mercearia de baixo preço.

Além disso, outros analistas afirmam que a Wal-Mart cresceu de forma tão rápida que acabou, gradativamente, por ficar sem pequenas cidades onde construir novas lojas. Desse modo, sem criar novos espaços e sem aumentar seus lucros, a rendibilidade da empresa começou a desacelerar.

Por último, é importante notar que a maioria das lojas Wal-Mart encerradas faziam parte da cadeia de "lojas express" da empresa. A cadeia de "lojas express" da Wal-Mart é uma filial que foi concebida para competir com lojas de conveniência como a Wawa, a 7-Eleven ou a CVS. Assim, ainda que o projeto de penetrar o mercado das lojas de conveniência não tenha tido grande sucesso, estes encerramentos não significam necessariamente que a Wal-Mart original esteja decaindo ou que os aumentos salariais da empresa venham a ser prejudiciais para a marca. Isso pode simplesmente significar que, para acomodar os aumentos salariais e o menor número de expansões destes últimos anos, o Wal-Mart está encerrando suas lojas menos rentáveis e tentando melhorar as mais lucrativas.

O que significa isso para as ações do Wal-Mart? Não é segredo que, no ano passado, as ações da Wal-Mart desvalorizara quase 30%. Embora a empresa acredite que os aumentos salariais e o encerramento de algumas filiais irão ajudar a marca a crescer, concentrando-se em melhorar suas operações atuais, parece que ninguém sabe realmente prever o futuro da Wal-Mart. Será que a realidade atual é apenas um mau momento para uma marca que, aparentemente, é grande demais para falir, bastando esperar que os cortes recentes ajudem a melhorar drasticamente o seu volume de negócios? Ou será que o fracasso da Wal-Mart no mercado das lojas de conveniência anuncia o início do declínio da maior rede de varejo do mundo?

Pessoalmente, eu acredito que a Wal-Mart ainda é grande demais para falir. Embora sua incursão pelo setor das lojas de conveniência não tenha tido sucesso e ainda que o preço de suas ações tenha caído significativamente no último ano, acho que não podemos ignorar o tamanho e rentabilidade da Wal-Mart como um todo. É possível que o encerramento das "lojas express" da empresa resultem no crescimento de suas outras lojas. Além disso, os recentes aumentos salariais da empresa poderão vir a melhorar suas relações públicas, o que poderá ter um impacto positivo em suas vendas. Assim, nesta fase, eu não descartaria completamente a Wal-Mart e aguardaria notícias sobre os lucros da empresa. No entanto, escolher quais ações comprar e vender é uma decisão que todo o investidor cuidadoso deve analisar individualmente!

*image from www.rivervalleyleader.com