Onde Política e Investimento Colidem

Por Kayliegh Yerdon, Estagiária de Verão de 2015, Cornell University Conforme a iminente eleição presidencial passa a ser cada vez mais amplamente coberta pela mídia, ficamos inclinamos a pensar sobre o quanto o noticiário político realmente afeta nosso cotidiano. Pense nisso - quando foi a última vez que você passou um dia inteiro sem ouvir falar de uma eleição, de um candidato, ou de uma grande questão política? A resposta mais comum a essa pergunta é: há muito tempo atrás.

O que é ainda mais interessante para se pensar é como as notícias políticas afetaram todos nós durante quase toda a nossa vida. Antes que pudéssemos compreender completamente o mundo em torno de nós, nossos pais provavelmente tomaram grandes decisões por nós com base nas informações que eles tinham - e nós assistíamos e aprendíamos. A partir desse ponto, muitos de nós provavelmente começaram a ler ou a ouvir as nossas próprias diferentes fontes de notícias. Além disso, nós provavelmente nos rodeamos de pessoas com opiniões políticas por todas as nossas vidas. Assim, as fontes que nos rodeiam passaram a ser influenciadoras das nossas decisões. Nós gostamos ou não gostamos das coisas que ouvimos e agimos conforme isso.

Mas, se a política afeta parte tão grande de nossas vidas, ela não poderia afetar nossa maneira de investir também? Pense nisso: se uma pessoa acredita que deve comprar apenas produtos nacionais, ela provavelmente só vai pensar em investir em ações de empresas nacionais. Se outra pessoa acredita em certas práticas trabalhistas, as empresas que adotam essas práticas podem tornar-se instantaneamente mais atraentes.

De fato, as opiniões políticas são parte da definição financeira de “valor intrínseco”. No mundo do investimento, usamos a expressão “valor intrínseco” para descrever o valor de verdade de uma empresa - o qual é composto tanto por seu valor tangível quanto pelo valor sentimental que ela tem para o investidor. E é verdade: nós somos mais propensos a investir em empresas de que realmente gostamos ou com cujos fundamentos podemos concordar de verdade.

Embora conhecer as empresas em que você está investindo seja sempre uma ótima ideia, um conselho claro e simples para todos os investidores é estar ciente de seus próprios preconceitos. Ao ajustar sua carteira de ações de acordo com suas convicções políticas, você pode estar perdendo importantes oportunidades de investimento que você sequer sabia que tinha. Além disso, em tempos de grande atividade política (como as eleições), os mercados de ações em geral experimentam um aumento na volatilidade. Por isso, estreitar as suas escolhas de indústrias ou investimentos de empresas pode submeter seu portfólio a grandes mudanças quando as políticas da Casa Branca mudam.

Em tempos de controvérsia política, é sempre uma atitude inteligente por parte do investidor reconhecer seus preconceitos políticos inerentes e, pelo contrário, racionalizar cada decisão de investimento que fizer com base no verdadeiro potencial da ação a longo ou curto prazo. Visite novamente na próxima semana para uma lista completa dos preconceitos psicológicos que guiam as nossas decisões de investimento!