Um retrato dos mercados globais nos primeiros dias de 2016

Por Kayleigh Yerdon, Estagiária de Verão 2015, Universidade de Cornell Como você provavelmente já sabe, os primeiros dias de 2016 foram sombrios para os mercados de ações globais. Aqui está uma revisão rápida de como alguns dos maiores mercados do mundo entraram no novo ano:

China:

A maior queda do mercado neste ano novo ocorreu na segunda-feira, na China. O Shanghai Composite, índice de todas as ações que são negociadas na bolsa de Xangai, caiu quase 7 por cento, enquanto o Shenzhen Composite, índice da bolsa de Shenzhen sofreu uma queda de 8 por cento. Estas são as duas principais bolsas de valores da China - um fato que ilustra o quão drástico foi o declínio de segunda-feira para o mercado de ações chinês como um todo.

Além disso, o CSI 300 Index - índice que consiste de 300 das ações listadas nas bolsas de Xangai ou Shenzhen - caiu 7,02 por cento. Este é um número extremamente significativo, já que o índice caiu abaixo do nível "circuit breaker". Um "circuit breaker" é uma medida financeira empregada para evitar grandes pânicos nos mercados, estabelecendo um nível além do qual um índice não pode subir ou cair. Por esta regra (aprovada em setembro de 2014), o índice CSI 300 não pode subir ou cair mais de 7 por cento, ou os pregões de Shenzhen e Xangai são encerrados pelo resto do dia. Desta maneira, na segunda-feira, os mercados chineses experimentaram o primeiro apagão deste tipo. Todas as negociações foram paralisadas depois que o CSI caiu para 7,02 por cento.

EUA:

Seguindo a tendência definida pela China na noite anterior, os mercados de ações dos EUA caíram na segunda-feira, começando o ano com baixas muito maiores do que vimos na última década. O S&P 500, índice dos movimentos de 500 das maiores empresas dos Estados Unidos, caiu 1,5 por cento. Todos os 10 setores da indústria (coisas como finanças, saúde, bens supérfluos, telecomunicações etc.)  experimentaram declínios notáveis. O mais importante foi a ação individual da Chipotle, uma cadeia de restaurantes de fast-food mexicanos, que caiu quase 7 por cento no início do novo ano.

Europa:

Seguindo o exemplo, o DAX alemão, índice que reúne 30 grandes empresas alemãs negociadas na bolsa de Frankfurt, caiu mais de 3 por cento na segunda-feira. A Inglaterra e a França reagiram no mesmo ritmo, e o FTSEurofirst 300, índice que mede o desempenho das 300 maiores empresas da Europa, caiu cerca de 2 por cento.

Petróleo:

Depois de ganhos iniciais na segunda-feira de manhã, o mercado de petróleo acabou fechando em baixa e revelando sua volatilidade. Alguns defendem que essa volatilidade pode ser atribuída à especulação dos investidores em relação ao conflito entre o Irã e a Arábia Saudita. Os dois países romperam todas as relações diplomáticas no domingo, 3 de janeiro. Como a região abriga uma das maiores fontes mundiais de petróleo, os investidores responderam a esta notícia com sentimentos mistos em relação à indústria do petróleo.

O que essa notícia significa para os investidores?

Embora a volatilidade pareça assustadora, muitos analistas acreditam que os investidores não devam se preocupar muito, promovendo a noção de que a instabilidade aparente dos mercados não será longa e que a expectativa não passa de, bem, expectativa. Outros até acreditam que agora pode ser um bom momento para entrar nos mercados, uma vez que a volatilidade serve aos dois lados. Se as coisas estão em baixa agora, podem estar em alta na semana que vem. Só o tempo dirá.

Então, agora que você leu esta rápida análise de como alguns dos maiores mercados mundiais entraram no novo ano, como você vai reagir?

Para você, esta volatilidade é um sinal para abandonar os seus investimentos ou como um novo começo para comprar coisas novas? Você aposta o dobro sobre qualquer perda que tenha, na esperança de que os mercados se corrijam? Ou simplesmente deixa seus investimentos como estão e espera que tudo se acerte? Estas escolhas cabem a você como investidor e dependem fortemente das suas preferências pessoais de investimento. De qualquer forma, é sempre bom ficar em dia com movimentos do mercado que podem vir a afetar sua carteira de investimentos!